imgimgimg

 

 

 

bg12.png

Projecto Biocec
icon

biocec.png

 

O projeto BIOCeC, nasce de uma parceria entre a Mistolin, empresa portuguesa especializada na conceção e desenvolvimento de detergentes, e a Universidade de Coimbra, com o intuito de: 

label1.png Desenvolver novas formulações - Ceras e Cristalizadores;

label1.png Utilização de matérias-primas não tóxicas e sem perigo para a saúde pública;

label1.png Obtenção de vantagens competitivas.

O projeto pressupôs a encapsulação de biopolímeros, a sua estabilização nas formulações, bem como a criação de novas bioemulsões. A colaboração entre a Universidade de Coimbra e a Mistolin teve a duração de dois anos.

Plano de Actividades

biocec3.png

Cristalizadores
icon

Nos primórdios dos cristalizadores utilizava-se o ácido oxálico, um ácido orgânico saturado. É uma substância incolor, que cristaliza a partir de soluções aquosas com duas moléculas de H2O.

Estes podem ser transformados em sais de oxalato durante o transporte para a atmosfera. Além disso, o oxalato pode reagir quimicamente com certos compostos comumente encontrados no corpo humano, tais como magnésio e cálcio. Quando se combinam, o resultado é, em termos químicos, um sal denominado por oxalatos. Os oxalatos vão privar o Homem de certos nutrientes essências, dando origem à conhecida doença de pedra nos rins.

Por esta razão o ácido oxálico foi substituído pelo fluor silicato de magnésio. O fluor silicato, responsável pela formação de cristais, e o ácido para conferir à solução um pH muito baixo de modo a digerir a camada superficial das pedras a quando da aplicação do produto.
Porém o fluor silicato de magnésio quando sujeito a elevadas temperaturas liberta ácido fluorídrico (HF) na forma gasosa.

Os compostos de fluor na forma gasosa, mesmo em baixas concentrações, podem resultar em problemas para o meio ambiente e para o ser humano.

Fluoride Magnesium Silicate
icon

arrow.png

 

Nova Formulação
icon

label2.png Água

label2.png Mistura de Ácidos orgânicos e inorgânicos

label2.png Emulsão de ceras

label2.png Tensioativos

label2.png Sais de cálcio

Vantagens
icon

A formulação desenvolvida promove uma superfície mais hidrofóbica, tendo as seguintes vantagens:

 

label3.png Menor infiltração da água, potenciando a proteção do pavimento.

label3.png Menos absorção de nódoas ou manchas.

label3.png Superfície mais brilhante, mantendo a resistência.

Ceras
icon

As ceras atuais possuem na sua formulação resinas - responsáveis pela formação do filme, sequestrantes de sais divalentes (como o ácido etilenodiamino tetra-acético (EDTA)), álcoois que funcionam como dispersantes (como o álcool isopropílico (IPA) e o butil carbitol), reguladores de pH (como a monoetanolamina (MEA) e o Hidróxido de sódio e os tensioativos para emulsificar os componentes insolúveis.

O nosso objectivo passou por reduzir a quantidade de solvente e por remover os compostos causticos como o Hidróxido de sódio e a monoetanolamina.

Tensioativos Fluorados Solventes Compostos Cáusticos EDTA
icon

arrow.png

 

Nova Formulação
icon

label2.png Água

label2.png Emulsão de ceras

label2.png Tensioativos

label2.png Coalescentes

label2.png Plastificantes

Vantagens
icon

A formulação desenvolvida apresenta as seguintes vantagens:

 

label3.png Um brilho, em média 60% superior ao das formulações de ceras de referência do mercado

label3.png Maior resistência ao desgaste

Evento de Apresentação de Projeto
icon

O projeto BIOCeC, nasce de uma parceria entre a Mistolin, empresa portuguesa especializada na conceção e desenvolvimento de detergentes, e a Universidade de Coimbra, com o intuito de:

» Desenvolver novas formulações - Ceras e Cristalizadores;
» Utilização de matérias-primas não tóxicas e sem perigo para a saúde pública;
» Obtenção de vantagens competitivas.

O projeto foi apresentado no dia 17 de outubro de 2014 nos Jardins da Boavista em Vagos.